Fraternidade

A Fraternidade Viver em Cristo (FVC), é forma canônica da Comunidade de São Pio X, é uma associação privada de fiéis no âmbito da Diocese de Campina Grande regida pelo Direito Universal da Igreja, pelos seus Estatutos Gerais legitimamente aprovados pelo Bispo Diocesano.

Podem ser membros da Fraternidade Viver em Cristo todos os fiéis que professam a fé católica, apostólica, romana; devidamente admitidos conforme este direito particular. (Art. 6.º do EGFVC)

Sendo de origem laical, a Fraternidade Viver em Cristo, é composta por homens e mulheres vocacionados ao carisma de fundação específico e chamados a um dos três estados de vida: Leigos, de Vida Consagrada e Clérigos. (§ 1º Art. 6.º do EGFVC)

Seus membros acolhem e proclamam a verdade sobre o Cristo, sobre a Igreja e sobre o homem, em plena obediência ao Sagrado Magistério da Igreja que autenticamente o interpreta. (Art. 7.º do EGFVC)

A Fraternidade Viver em Cristo, sendo uma comunidade de irmãos, sob a proteção e inspiração da obra de São Pio X, imbuídos de um ardor missionário de matriz carismática, tem por finalidade: restaurar homens e mulheres para que possam viver em Cristo, sendo sal e luz na sociedade. (Art. 8.º do EGFVC)

Sobretudo, “através do testemunho, manifestando a sua capacidade de compreensão e de acolhimento, a sua comunhão de vida e de destino com os demais, a sua solidariedade nos esforços de todos para tudo aquilo que é nobre e bom, irradiando, conseqüentemente, de um modo absolutamente simples e espontâneo, a sua fé em valores que estão para além dos valores correntes” (Evangelli Nuntiandi 21).

Sendo fiel ao objetivo do Fundador, o principal apostolado é o ensino e a formação de crianças, jovens e adultos. (Art. 9.º do EGFVC)

Viver em Cristo: um dom para a santidade

Atentos à exortação “sede Santos porque Eu, o Senhor vosso Deus, sou Santo” (Lv 19,2), os membros cumprem o seu lema particular de Viver em Cristo – recebido como um dom, um carisma de fundação, modelados pelo Evangelho das Bem-aventuranças, e afirmam ao fim da Peregrinação Terrestre: ”já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20). (Art. 14.º do EGFVC)
Os membros devem cultivar a santidade em seus vários estados de vida, guiados pelo Espírito de Deus, obedecendo a voz do Pai e adorando-o em espírito e em verdade, a exemplo de Cristo, pobre e humilde de coração, que exorta: “sede perfeitos, como vosso Pai celeste é Perfeito” (Mt 5,48).

Por força deste “testemunho sem palavras”, os membros devem fazer aflorar no coração daqueles que os vêem viver, perguntas indeclináveis: Por que é que eles são assim? Por que é que eles vivem daquela maneira? O que é, ou quem é que os inspira? (cf. Evangelii Nuntiandi 21). (Art. 15.º do EGFVC)

O Dom de “Viver em Cristo” é recebido com toda sua originalidade própria, servindo para ensinar e formar o povo de Deus. E tem como princípios: o primado à santidade, o viver reconciliado, um amor irrestrito e incondicional à Eucaristia, à Igreja, e à Santíssima Virgem Maria; um zelo pelo ensino e formação, sob a inspiração de São Pio X. (Art. 16.º do EGFVC)

Conheça o brasão da Comunidade de São Pio X

brasao-rodape

A arte de compor brasões tem os primeiros indícios de presença ainda na época medieval. Esta arte tem o objetivo de compor símbolos utilizando à heráldica, ou seja, a arte de sintetizar em objetos gráficos e sinais, conforme regras próprias, dioceses, paróquias,instituições, clérigos, famílias e até times de futebol.

Com efeito, toda instituição sadia que se forma ou adquire uma personalidade própria, tem como uma de suas primordiais preocupações desenvolver símbolos que a caracterizem e a distingam das demais. E uma das manifestações da riqueza e força espirituais da Igreja Católica é a fecundidade em traduzir numa exuberante coleção de símbolos o universo sobrenatural que ela contém.

Como a Comunidade de São Pio X, para manter a tradição da Igreja, decidiu-se então compor um brasão sintetizando nele, sua missão, espiritualidade, princípios e tradições.

Conheça cada símbolo que compõem o brasão e seus respectivos comentários

ESCUDO é divido em dois campos, na cor vermelha e azul, fazendo referência ao Sangue e a Água que jorrarão do peito transpassado ao lado aberto de Jesus crucificado (cf. Jo 19, 34), início e crescimento da atividade evangelizadora da Igreja. Além desta significação, o campo vermelho também nos remete ao sangue da Nova e Eterna Aliança, constituída por Cristo (cf. Mt 26, 28), e ao sangue derramado pelo mártires, como supremo testemunho em defesa da nossa fé (cf. CIC 2474), além de fazer referência a unção do Espírito Santo, figurada nas línguas de fogo no Pentecostes (cf. At 2, 3). Já o campo azul nos remete a água, sob a qual na origem do mundo o Espírito pairava (cf. Gn 1, 2) dando a esta à força de purificar, regenerar, santificar e converter, frutos do Sacramento do Batismo – sem o qual ninguém pode entrar no Reino de Deus (cf. Jo 3, 5).

ALFA e OMEGA a primeira e a última letra do alfabeto grego, que simboliza a totalidade do Nosso Deus: o Primeiro e Último, o Começo e o Fim (cf. Ap 22, 13), a origem e a consumação de toda a humanidade.

HÓSTIA e SOL com doze raios, nos indica o Alimento e Sustento de toda caminhada do cristão: a Eucaristia, verdadeiro alimento, pão descido do Céu (cf. Jo 6, 35), que nos faz permanecer intrinsecamente ligados a Cristo; já o Sol aponta-nos para o Senhor, Sol da Justiça, que brilha sobre nós iluminando os que estão nas trevas e dirigindo-os para o caminho da Paz (cf. Lc 1, 78-79), os doze raios são a simbologia das Doze Tribos de Israel nos indicando a universalidade de Deus, que brilha para todos os povos e é único o Senhor de todas as nações (cf. Dt 6, 4).

FLOR DE LIS evoca o culto a Virgem Maria, sobre o título de Nossa Senhora do Rosário, exemplo de discípula e modelo de fidelidade, em prata faz referência à pureza, à benevolência e à castidade.

ESPADA instrumento símbolo de luta e batalha, apontando-nos para Palavra de Deus, que é a Espada do Espírito (cf. Ef 6, 17), e remete a Cruz, sinal da marca de Cristo e pertença à Graça Redentora que Ele nos proporcionou por Sua Cruz, expressão máxima da revelação do Amor.

LISTEL abaixo do escudo encontramos em latim, a fundamentação bíblica do lema de caminhada (Viver em Cristo) da Comunidade: é Cristo que vive em mim (cf. Gl 2, 20b), inspiração bíblica para o exercício individual e comunitário da missão e certeza que nos norteia para prosseguirmos decididamente até a Jerusalém Celeste.

Baluartes

A Fraternidade Viver em Cristo tem como baluarte o papa São Pio X, de cujo lema é Restaurar todas as coisas em Cristo, de modo que, seus membros, mediante o apostolado de ensinar e formar o povo de Deus, e imbuídos de um singular ardor missionário, têm como maior objetivo: Restaurar homens e mulheres, para que possam ser testemunhas de Cristo na sociedade. Tendo São Pio X como exemplo de cristão, somos chamados a proclamar a verdade sobre o Cristo, sobretudo através do testemunho, em comunhão com o Sagrado Magistério da Igreja. Como São Pio X, o nosso propósito é incomodar o coração humano através de um testemunho sem palavras, despertando neste mesmo coração o desejo de entender e viver a realidade de ser cada vez mais de Deus, nos diversos estados de vida, seja matrimonial, celibatário ou sacerdotal.

Para isto, a Fraternidade viver em Cristo também traz como baluarte a Bela Dama da Vocação, a Virgem Maria, sob o título de Nossa Senhora do Rosário, de modo que, da mesma forma que, na batalha de Lepanto, foi defendida a primazia da fé católica, sob a sua poderosa intercessão, e lembrando que, providencialmente, a Comunidade de São Pio X foi fundada em 7 de outubro de 1991, dia de Nossa Senhora do Rosário, cada membro da Fraternidade Viver em Cristo é convidado a defender a Fé Católica, através da propagação da devoção ao Santo Rosário, e sobretudo, pregando com o exemplo, agindo como verdadeiros soldados de Cristo, prontos para a batalha, tendo a frente a Virgem do Rosário, vencedora sobre Lepanto, vencedora sobre cada batalha a ser travada nestes tempos tão difíceis.

Como não é fácil tal combate, eis que vem em nosso socorro, o terceiro baluarte: São Miguel Arcanjo, o Príncipe da Milícia Celeste, Aquele de quem se diz: “Quem como Deus?” E a quem clamamos: “Defendei-nos no combate”. Sempre presente na vida da Fraternidade Viver em Cristo, recorre-se de São Miguel Arcanjo, a sua proteção contra os dardos inflamados do maligno, livrando-nos de toda tentação e de toda opressão do mal, de modo a alcançarmos o fim último para o qual fomos chamados a viver a nossa vocação na Comunidade de São Pio X e que só será concretizado em sua plenitude na glória celeste: Viver em Cristo, iniciando sempre para hoje este propósito, dando primazia à santidade, à vida sempre reconciliada e um amor incondicional à Eucaristia, à Igreja e à Santíssima Virgem Maria. Sob a proteção de São Miguel Arcanjo, somos convidados a caminhar vigilantes, atentos à sedução do mal, imbuídos pela Espada do Espírito, que é a Palavra de Deus, mantendo-nos de pé, em atitude de luta contra o pecado, buscando ser sal da terra e luz para o mundo.